Fiquei impressionada com a notícia que 65 participantes do ENEM foram sumariamente desclassificados do exame por postar fotos das salas de provas e dos cartões-resposta.  Como diria Armando Marques, “a regra era clara” proibindo o uso de celulares e aparelhos eletrônicos durante a prova, mas mesmo assim esses estudantes, e mais alguns que não foram pegos, não resistiram à tentação de mostrar ao mundo o que estavam fazendo naquele exato instante.

58 horas e 33 minutos
é o tempo que o brasileiro passa na internet, por mês, segundo o Ibope 

Recentemente o programa Fantástico — da Rede Globo –, copiando um experimento feito em uma peça publicitária belga demonstrou o quanto as pessoas gostam de expor sua intimidade on-line. Um ator, se passando por vidente, ‘”advinhava” detalhes íntimos da vida das pessoas apenas usando as informações postadas por elas mesmas em suas páginas do Facebook.

Não só as pessoas publicam tudo o que fazem, como estão cada dia passando mais tempo na internet. Segundo o Ibope, o brasileiro é o povo que fica mais tempo online – 58 horas e 33 minutos por mês. Ingleses e americanos estão em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Isso me remete a uma entrevista que li há algum tempo atrás com a baronesa Susan Greenfield – neurocientista e professora de Oxford. Susan compara as redes sociais e seu poder viciante à indústria do cigarro, ao desconfiar que há mais coisas além de um simples feixe de elétrons na telinha das redes sociais e dos videogames . Segundo ela, os ‘nativos digitais’ terão dificuldade de viver a vida real e passarão a maior parte da vida online. “As crianças que estão crescendo agora nesse ambiente do ciberespaço, não vão aprender como olhar alguém nos olhos, não vão aprender a interpretar tons de voz ou a linguagem corporal”.

Já o Dr. Luís Fernando de Souza-Pinto — psicanalista e mestre em psicobiologia , levanta uma questão interessante:  “A internet colocou a educação, o ensino e as relações humanas em teste; e agora vai colocar a própria realidade em que vivemos em teste. Até pouco tempo, tínhamos apenas uma maneira de aprender, de nos relacionarmos e de viver no mundo. Agora temos outras formas de experimentar isso. A questão é: qual delas iremos preferir?”

Seja como for, não tem mais volta. Cada vez mais estamos conectados e dependentes da tecnologia.  Certamente iremos descobrir a maneira correta de equilibrar esses aprendizados e nos tornamos melhores.

Anúncios

Escrito por Luciana

Designer

One Comment

  1. Toda vez que leio uma análise sobre o lado bom e o ruim de uma nova tecnologia, me do mito do rei Tamuz e o deus Thot, sobre a invenção da escrita. Belo texto Lua.

    “Seja como for, não tem mais volta.” 

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s