Artistas falaram com colunista Luciana Leme sobre insultos protegidos pelo anonimato da rede. (Divulgação/Arte LD)

Artistas falam sobre como lidam com insultos protegidos pelo anonimato da rede. (Divulgação/Arte LD)

O primeiro humano que insultou o seu inimigo, ao invés de atirar-lhe uma pedra, inaugurou a civilização.”

— Sigmund Freud

Gostaria de saber o que Freud diria hoje diante do território livre da internet, onde as normas da boa educação e da cordialidade, às vezes, passam ao longe. Sempre me intrigou o comportamento dessas pessoas que, sem mais nem menos, sem quê nem porquê, se utilizam das ferramentas digitais pra insultar covardemente outra pessoa qualquer.

Seria difícil investigar e ir mais a fundo nesse tema quando se trata de pessoas comuns, até porque seria mais complicado monitorar o que lhes é dito por pessoas que nem sequer as conhecem, mas no caso de pessoas famosas é bem mais fácil. Basta segui-las no Twitter ou em sua página de fãs ou perfil no Facebook.

É impressionante o que as pessoas são capazes de dizer ao seu semelhante. Parecem não ter o menor escrúpulo, vergonha ou senso de oportunidade.  Não perdoam sequer quando o outro está passando por um momento delicado como a perda de um filho. E às vezes a situação ultrapassa o limite entre o xingamento e a ameaça chegando a parar na delegacia.

Mas afinal o que faz o sujeito insultar uma pessoa que ele nem sequer conhece? Como se sente quem é quase que diariamente insultado por estranhos? Como reagir a esse tipo de provocação sem estimular ainda mais o “agressor”? São perguntas que me fiz e resolvi fazer a quem pode realmente respondê-las por ter vivido na própria pele.


Léo Jaime (Divulgação)

Léo Jaime (Divulgação)

O cantor Léo Jaime poderia ser um especialista no assunto já que é insultado diariamente pelo twitter. Léo desabafou: “sou insultado diariamente há anos. A internet é o paraíso do boçal: basta um nickname e merda na cabeça. Dificilmente respondo às agressões para não iluminar os trolls, mas às vezes uma bela respostinha antes de dar sumiço na figura é um alívio.”  Léo acredita que “as pessoas fazem isto porque são más, burras ou os dois. E também são covardes e não teriam coragem de dizer isto olhando nos olhos”.


Eda Fagundes (Divulgação)

Eda Fagundes (Divulgação)

A psicóloga Eda Fagundes concorda, ela acredita que esse tipo de atitude não tem nada de novo, a única coisa nova é o acesso que se tem hoje à pessoa famosa. “A internet propicia o acesso às pessoas e protege o cara do revide. Há uma crueldade no ser humano, um prazer mórbido. Um ganho em ver o seu semelhante em situações que tornam o falível. Existe nessas pessoas uma necessidade de achincalhar a pessoa pública. Seria o Anti-fã, que é movido pela emoção negativa em relação a alguém.”


Lúcia Veríssimo (Divulgação)

Lúcia Veríssimo (Divulgação)

A atriz Lúcia Veríssimo que o diga. Ela já foi insultada várias vezes e se sentiu impotente diante da situação.  Algumas vezes ela respondeu a agressão, mas depois entendeu que “o melhor a fazer é bloquear a pessoa e não dar a menor importância. A Internet é uma cidade sem lei, portanto uma desordem danada. As pessoas aproveitam que podem criar redes sociais falsas para descarregar suas neuroses, invejas, despeitos, ira, incompetência e exercício de agressividade em pessoas públicas para com isso ter seus momentos de ‘luz’ em suas vidas de trevas”.


Carlinhos de Jesus (Divulgação)

Carlinhos de Jesus (Divulgação)

O coreógrafo e dançarino Carlinhos de Jesus não foi poupado nem na morte de seu filho. “Já sofri muitos insultos pela internet. Agressões quanto a minha sexualidade por dançar, ser artista. Agressões gratuitas do tipo ‘não vou com a sua cara’ e por aí em diante. Algumas vezes respondi. Nunca da mesma forma, com agressões e palavrões.  Até em relação à morte do meu filho já escreveram de forma agressiva e sem o menor sentimento e respeito a minha dor”, disse.

“Acredito que essas pessoas aproveitam o anonimato e disparam seus dedos no teclado de um computador para dizerem o que querem. São pessoas sem noção de respeito, pessoas sem educação, sem cultura, sem escrúpulos. O que me deixa feliz é que são muito poucos e dentre eles quase que a totalidade me responde se desculpando”.


Margareth Boury (Divulgação)

Margareth Boury (Divulgação)

Às vezes o motivo da agressão não é nem a própria pessoa, mas o trabalho que ela realiza. A escritora Margareth Boury, autora da novela Rebelde da TV Record, teve que fechar seu Instagram durante a novela.  “Eu me senti invadida. Se fossem críticas por causa da novela, tudo bem, mas pegar no pessoal me deixou com raiva. Acho que fã se vê no direito de dizer o que quer. Ainda mais no meu caso, que eram crianças e adolescentes – eles jamais se calam”.


Mauro Ferreira (Divulgação)

Mauro Ferreira (Divulgação)

Já o jornalista e crítico especializado em música do jornal O DIA, Mauro Ferreira, vê esse comportamento de maneira diferente. “Eventualmente alguns fãs dos artistas criticados me ‘esculhambam’ nos comentários quando se trata de uma crítica negativa. Mas não considero isso grave. É coisa de fã! Fora desse contexto, nunca fui agredido”, revela.


Quando a celebridade responde, o agressor se sente importante, já que foi merecedor de um segundo de atenção. Quando a mensagem com os impropérios é retuitada com uma resposta do artista, é o auge da felicidade, pois aí se torna o agressor “popular e importante”.

A questão é simples: sem a proteção do anonimato, esse tipo de comportamento certamente não aconteceria. Pouca gente iria querer encarar as consequências dessas atitudes tresloucadas. Na semana passada o prefeito do Rio, Eduardo Paes, deu dois socos em um sujeito que não parava de xingá-lo. Imagino que o cara esqueceu que não estava protegido atrás da tela de um computador. Apanhou.

E aí, vai encarar?

Anúncios

Escrito por Luciana

Designer

6 Comments

  1. Jorge Custódio 05/06/2013 às 06:56

    Esse problema jamais terá fim… apenas quando houver a modificação total na moralidade humana, e isso vai ocorrer quando a MATURIDADE DO SENSO MORAL estiver bem desenvolvida, como está muito bem explicado no Evangelho Segundo o Espiritismo… (coisa pra muito tempo ainda)… Até lá muita meditação e promoção da paz, e que cada um a construa dentro de si mesmo, SENDO a própria paz. Toda pessoa humana gosta de ser o alvo de atenções, seja celebridade ou não.

    Curtir

    Responder

  2. Paty Musásci 08/06/2013 às 01:45

    Artigo Maravilhoso. Muito bom!

    Curtir

    Responder

  3. Poderá ter fim sim, basta que a própria tecnologia seja usada para possibilitar a identificação do usuário nesses casos, para que responda por seus atos, respeitando a privacidade e até o anonimato enquanto não houver crime.

    Curtir

    Responder

    1. Luiz Daniel Picco 22/10/2013 às 21:24

      Essa tecnologia já existe, se chama endereço de IP.

      Curtir

      Responder

      1. Augusto César 06/04/2015 às 13:04

        O IP não serve pra isso, uma vez que é possível alterá-lo facilmente.

        Curtir

  4. Luiz Daniel Picco 22/10/2013 às 21:23

    São pessoas que gostam de aparecer, sempre inventam algum motivo pra começar a discussão, ma maioria das vezes é por causa do erro de gramática, pra resolver é fácil, é só não dar corda que o mané some.
    Concordo com Leo Jaime quando disse que são covardes e não tem coragem de falar cara a cara.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s