Spam em fóruns e blogs

O spam enviado por meio de e-mail caracteriza-se pelo anúncio de produtos e serviços ou divulgação direta de websites, esperando que o usuário clique no link exibido pelo e-mail. Esse tipo de spam também existe em blogs, mas não é comum. O spam mais comum em blogs é o link spam.

O link spam teve início em Livros de Visita (guestbooks) em websites, mas foi só com o aumento explosivo do número de blogs e a possibilidade de criar comentários facilmente nos mesmos que o link spam se tornou um problema grave.

Como o nome sugere, o link spam consiste na presença de um ou mais links em um comentário feito no blog. O objetivo é fazer com que o site linkado no comentário ganhe um pagerank maior no Google. Para sites de busca, como o Google, quanto mais sites criarem links para um determinado endereço, maior será o pagerank daquele endereço. Websites com um pagerank alto aparecem em primeiro nos resultados de buscas. O link spam é, portanto, uma divulgação indireta.

Como o link spam é feito em dezenas ou centenas de blogs, o pagerank do site promovido poderá aumentar de forma significativa.

O link spam pode ser feito manualmente, mas isso não é comum. A grande maioria dos comentários com link spam são feitos por robôs automatizados — os spambots — que fazem os comentários automaticamente, preenchendo os campos do comentário de acordo com uma configuração definida pelo spammer.

Prevenção

Programadores de softwares para a criação de blogs tentaram diversos métodos para amenizar o problema do link spam. A comunidade também contribuiu criando plugins (como o famoso MT Blacklist para o Movable Type). Links usando javascript (que não é interpretado pelo Google) e redirecionadores internos do site foram alguns dos métodos testados por bloggers.

Os métodos não eram perfeitos: links em javascript não funcionavam em navegadores de texto como o Lynx, enquanto os redirecionadores internos aumentavam desnecessariamente a carga sobre o servidor do blog de forma significativa. Os blogs que experimentaram sistemas que necessitavam o registro para que os usuários pudessem comentar perceberam uma redução no número de comentários feitos aos seus artigos.

Como o link spam não estava somente poluindo os comentários em blogs, ele estava destruindo os resultados em sites de busca, o Google, que já estava envolvido com o mundo dos blogs desde que adquiriu o site blogger.com, criou um valor especial para o tributo “rel” da tag HTML “A” (responsável pela criação de links). O valor especial (“nofollow”) faz com que o endereço apontado pelo link não seja visitado pelo Google e não tenha seu pagerank aumentado.

<a href=”http://sitedospammer&#8221; rel=”nofollow”>texto qualquer</a>

Todos os softwares populares para a criação de blogs incluíram em seu sistema de comentários a funcionalidade criada pelo Google. Outros portais de busca, vendo que o método foi bem aceito, também incluiram a interpretação do “nofollow” em seus robôs de busca.

Com o uso desse sistema de prevenção, vários spammers agora concentram seus esforços no spamming de Wikis (sites que permitem que qualquer usuário edite ou crie uma página). Os spammers criam ou editam páginas divulgando seus links, serviços e produtos.

Fóruns

Fóruns e comunidades online como Orkut também são alvos de spam. Muitas vezes, o spam é feito de forma manual e divulga esquemas de pirâmide: “Fique rico rápido”, “Faça dinheiro fácil”, “Tente, isso funciona”, “Receba dinheiro navegando na web”, entre outros. Ele também pode ser feito de forma automatizada, semelhante aos blogs.

Não há muito interesse em fazer link spam em fóruns. Isso se deve ao fato de que a maioria dos fóruns não possui um pagerank alto (quanto maior o pagerank de uma página, maior será o ganho dos endereços que forem linkados). Blogs, por outro lado, costuam linkar muito entre si, aumentando seu pagerank e tornando mais vantajoso o link spam nesses sites.

Escrito por Altieres Rohr

Jornalista e tradutor. Editor dos sites Linha Defensiva e Garagem 42 e colunista de Segurança Digital no portal G1 da Rede Globo.