A professora Julie Amero (40) foi considerada culpada pela exibição de imagens pornográficas para menores por meio de um computador em uma escola no estado de Connecticut, nos EUA. Ela pode pegar até 40 anos de prisão no dia 2 março, data marcada para a divulgação da sentença. Amero diz que as imagens foram exibidas por spywares que estavam no sistema.

Amero conta que os pop-ups pornográficos que apareceram em seu computador no dia 19 de outubro de 2004, quando era professora substituta em uma turma de sétima série, “não iam embora”. O promotor do caso, David Smith, questionou por que Amero não desligou o computador, mas ela não teve resposta. Um aluno que testemunhou pela promotoria afirmou que a professora tentou desviar o rosto dele da tela do computador quando ele viu as imagens.

O detetive responsável pelo caso, Mark Lounsbury, admitiu que nenhuma análise para verificar a presença de spywares no computador foi realizada. Um especialista que examinou o equipamento a pedido defesa disse que um site sobre estilos de cabelos que foi acessado pode ter redirecionado Amero para as imagens pornográficas.

Membros da comunidade anti-spyware simpatizaram com a situação de Julie Amero. Infecções de spyware geralmente levam o internauta para sites indesejados e muitos deles possuem conteúdo pornográfico. Lounsbury disse que existem provas de que Amero “clicou em imagens pornográficas”, porém, de acordo com especialistas anti-spywares, os acessos gerados pelas infecções não podem ser diferenciados dos acessos manuais.

O presidente da companhia de segurança Sunbelt-Software, Alex Eckelberry, acha que a condenação pode ter sido injusta. “Será que se fez justiça aqui? Uma infestação de spyware pode encher o computador de pop-ups pornográficos e é um pouco desconfortante pensar que uma professora poderia receber uma pena dura por algo que pode ter ocorrido inocentemente”, escreve Eckelberry no blog da Sunbelt.

Um editor do site Computerworld, Preston Gralla, acredita que Amero é culpada. Ele publicou sua opinão em seu blog: “A escandalosa defesa [de Amero], de que spywares infestaram o computador e que ela não conseguiu controlá-los, não funcionou com o júri. É bom ver o sistema judiciário acertando algo sobre tecnologia”.

Todas as informações conhecidas sobre o caso foram publicadas pelo Norwich Bulletin, jornal local da cidade onde ocorreu o fato.

Em um editorial de opinião, o Norwich Bulletin diz que “Amero estava claramente errada ao acessar as imagens pornográficas” e que a “intenção era aparente”. “Enquanto seus atos são repugnantes e merecedores de punição, nós esperamos que a sentença seja significantemente inferior à máxima de 40 anos, que alguns assassinos condenados não recebem”, opina o jornal.

Eckelberry afirma estar convencido de que Amero, que não tinha ficha na polícia, é inocente. A Sunbelt irá disponibilizar seus especialistas gratuitamente durante o processo de apelação. Eles devem examinar o equipamento e verificar se o mesmo está ou não contaminado por spywares que poderiam exibir pop-ups pornográficos.

Atualização — Preston Gralla publicou novos comentários em seu blog. Gralla diz que, de acordo com os fatos apresentados por pessoas que comentaram seu texto anterior, sendo algumas inclusive vítimas de spyware, Amero pode ter sido injustiçada. “Não posso dizer que sei a verdade neste caso, porque não vi computador da professora. Mas se o computador estava realmente infestado de spyware e a escola não cuidou do o sistema de filtragem de conteúdo, então o que ocorreu foi uma injustiça”, escreve Gralla.

Anúncios

Escrito por Altieres Rohr

Jornalista e tradutor. Editor dos sites Linha Defensiva e Garagem 42 e colunista de Segurança Digital no portal G1 da Rede Globo.

7 comentários

  1. Roger Anderson Príncipe 15/01/2007 às 15:51

    Raios… Não acredito nisso. Estou indignado, totalmente perplexo. Onde é que esse mundeco ridículo vai chegar desse jeito? Qualquer profissional da área de segurança digital sabe muitíssimo bem que o aparecimento de vários pop-ups com mensagens/imagens pornográficas é uma coisa que pode acontecer com qualquer um.

    Eu trabalho em 9 LAN houses diferentes e todo santo dia eu cruzo com uns 10 computadores com esse problema. Um cliente pervertido vai lá, acessa o conteúdo e os spywares ficam alojados nas pastas do sistema. O próximo que usar, mesmo que seja o próprio PAPA, vai dar de cara com uma tonelada de janelinhas com mensagens de sacanagem. Foi ele que acessou? Claro que não. Foi alguém que veio ao computador antes dele e deixou as pragas lá, caramba.

    Não acredito que a mulher saiu mostrando pornografia pras crianças desse jeito bizarro que acreditam. Condenar ela por isso já é muito estranho. Mais estranho ainda é a atitude de condená-la a… 40 anos? Isso é algum tipo de piada de mal gosto, só pode ser. Tem gente perigosa andando nas ruas desse mundo que nem meia horinha curte numa delegacia. Se ela realmente fez aquilo de propósito (e eu duvido), então ela deve portar problemas mentais e devia ser tratada, isso sim. Mas condená-la a 40 anos de prisão? Pelo jeito, esse juiz que a condenou não gosta dela mesmo. Tinha uma richa pessoal, só pode ser isso.

    Bom… Fico por aqui. Eu e a minha indignação por esse caso medonho e bizarro. Bizzaro igual aquele cara na Bolívia que continua na cadeia por anos mesmo depois de sua inocência ter sido provada. Continua na cadeia por que, enquanto era “culpado”, tentou fugir e agora responde por isso. Inacreditável, não é? Mas agora achei uma bizarrice semelhante: A mulher que pegou 40 anos de cadeia por que uns malwares se mostraram ativos na frente de uma platéia de crianças de 7ª série. Aí a infeliz (ou doente mental, no caso de ter sido de propósito e que mereceria um tratamento especial) que estava na frente do PC levou foi condenada como se ela fosse a assassina de Jesus. Triste!

    Curtir

  2. Roger Anderson Príncipe

    Só pra deixar claro: ela pode pegar “até” 40 anos de prisão. A sentença será no dia 2 de março. É provável que ela vá apelar, então pode ser que o processo ainda demore até terminar.

    Mas mesmo assim, eu creio que só a possibilidade de você pegar 40 anos já é preocupante. Existem outras leis estranhas nos EUA, como por exemplo, copiar um CD lhe dá mais tempo na prisão do que colocar o músico em coma de tanto bater nele.

    Curtir

  3. Alessandro Stamatto 17/01/2007 às 16:49

    Realmente ridiculo.

    Não devia nem ir para corte, é uma coisa totalmente inutil…

    Primeiro a situação de ser por malware é 150% plausivel.

    Segundo, um aluno pode fazer isso facilmente de brincadeira

    Terceiro, mesmo que fosse a intenção dela, 7ª serie todo mundo ja viu alguma sacanagem…

    Pegar mais do que 1 mes de Cadeia por uma besteira dessas provaria a total ineficacia de um sistema juridico.

    Esse tipo de coisa denigre totalmente a aplicação justa e merecida da Lei.

    Curtir

  4. Gustavo Carvalho Del Bianco 18/01/2007 às 13:27

    É um absurdo ler uma reportagem dessas, não da para se imaginar que a professora de uma setima série iria fazer isso, mas absurdo ainda é a condenação de 40 anos.
    Como disse o rapaz acima ainda mais nos EUA que todo mundo tem computador, claro que pessoas da setima serie ja viram sites pornos.
    Por isso estamos caminhando pro final do mundo, nós mesmos buscando isso, quem rouba uma margarina pra comer ou um spyware no pc, é motivo de 40 anos, enquanto os traficantes e assassinos que matam milhhões por dia andam solto , enquanto governo que rouba milhões com desvio de dinheiro estão soltos.

    Absurdo, uma indignação!

    Curtir

  5. Que tremenda injustiça estão comentendo contra essa professora.
    Eu trabalho com assistência técnica de informatica há 10 anos, e me deparo quase diariamente com computadores infectados com spywares que abrem janelas popup pornográficas. Existem mais de dez mil spywares que fazem isso. Se condenarem essa mulher por isso, o judiciário americano estará assinando um atestado de analfabetismo digital. Que absurdo.

    Curtir

  6. Ewerton Soares 19/01/2007 às 09:13

    Deprimente. Acho que o sistema juridiário ainda não está pronto para cuidar de casos tecnológicos. Por que ela não desligou o computador? Nervossismo! Quando você vê várias popups se abrindo você tenta fechá-las não arrancar a tomada do pc! Agora ela pegar até 40 anos de prisão por um crime que não cometeu é uma tremenda p*! Melhor mandar perítos experts em computação analisarem o computador, e eu não sabia que você só pegava esses spys entrando em sites do genêro. Quem aqui já não entrou em um site que tinha vários banners escritos “Seu PC está infectado.” quando você entra ali, vários spys vem junto, ou se entrou mesmo, pode ter sido outra pessoa.

    Curtir

  7. bom simplesmente acho que o juri possivelmente não tem noção nenhuma de tecnologia e acusam a professora por estarem indo pelo “óbvio” já que a pobre professora era a unica mexendo no computador.. mas sinceramente em todos os países possuem leis ridiculas ondem kem roba uma galinha pra sobreviver eh preso por 10 anos onde kem roba milhões na politica está por ae cumprindo prisão domiciliar.. que isso.. acho q jah passou da hora de rever essas leis que sempre são a favor dos mais poderosos

    no meu ponto de vista acho q deveriam ter a conclusão correta do que foi ocorrido.. primeiro oq uma professora iria kerer mostrando essas imagens para um alunos da 7° serie? só se ela tem algum tipo de problema mental mesmo

    Curtir

Os comentários estão encerrados.